quarta-feira, 13 de abril de 2011

Intemperismo. A corrosão do planeta. Algumas imagens de um processo milenar...

       O famoso ditado popular: "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura" é a maior verdade. Inclusive acredito que a Ciência apenas comprova metodologicamente aquilo que a sabedoria popular diz há tempos. Mas não generalizo. 
         Existe um processo que desgasta as rochas proveniente dos agente externos da Terra, como a ação da atmosfera (chuva, vento, calor, frio) e dos Seres vivos, chamado intemperismo. Foi através dele, juntamente com fatores internos (Tectonismo e Vulcanismo), que se formou todo o relevo do planeta. Foi esse processo que fez as rochas que formam as placas tectônicas se desgastarem, "apodrecerem" ou se quebrarem em suas porções superiores formando sedimentos, estes que geraram  uma camada de solos, dos mais diversos, sobre toda a superfície da litosfera do planeta.
        Existem três tipos de intemperismo, ou seja, três formas que as rochas se desgastam, apodrecem ou se quebram: o intemperismo físico (alta variação térmica), o intemperismo químico (ação da água na estrutura da rocha provocando seu "apodrecimento"), e o intemperismo biológico (ação dos Seres vivos).
   Apesar de poderem ser estudados separadamente, a ação desses intemperismos normalmente são simultâneas. Em outras palavras, um mesma rocha se desgasta pela ação química, física e biológica.
        Com isso, não excluímos algumas realidade, que diante de um determinado contexto climático ou ecossistêmico, a ação de um tipo de intemperismo pode ser mais intensa que a de outro. Exemplo disso é o deserto, onde não há grandes quantidades de precipitações, que sofre mais intensamente com intemperismo físico da variação de temperatura e menos com o químico e biológico. 
        No Brasil, na região sudeste, os três tipos de intemperismos atuam juntos e de uma forma bem "igual" (se comparado ao deserto). Há poucos dias adentramos numa mata de Miraí onde vimos rochas sendo intemperizadas de uma forma bem didática. Trago aqui algumas fotos:
    







Cristian Lima




Um comentário: